Minha Tara (3)

Minha esposa era professora e diretora de uma grande escola estadual. Tinha a seus cuidados mais de 2.000 alunos e por consequência dezenas de professores. Quando das festas e comemorações eu era convidado a participar acompanhando-a. Pude observar belas professoras e magníficos exemplares do gênero masculino. Havia um, em especial  que se destacava, educado, com seus 30 anos aproximadamente, solteiro, era agradável tanto pelo fino trato como pela aparência física. Ela já havia relatado de um tal fulano, o próprio, que sempre elegante exalava belo e caro perfume, o que lhe agradava deveras. Tive oportunidade de conhecê-lo numa destas festividades. De imediato surgiu-me a ideia de me referir a ele em próximo encontro intimo com ela, o que não tardou àquela mesma noite.  Voltando para casa e deitados, já engatilhados após as preliminares, cochichei nos seus ouvidos se podíamos convidar uma terceira pessoa a partilhar nossa noitada. Repentinamente ela deu uma estancada, crente talvez que fosse eu me referir a uma figura feminina; ela, de natureza ciumenta, assim reagira mas, quando me referi ao cheiroso professor e coisa e tal, desarmou-se em clara evidencia de aceitação. Neste momento eu latejava dentro dela como nunca; sentia também o pulsar vaginal apertando-me em espasmos. Creio piamente que muitas vezes ela já tinha fodido comigo pensando justo no tal primoroso professor. De uma forma ou de outra, eu teria chifres cheirosos e bem aprumados. Ao contrário, me senti até um tanto vaidoso. Continuei a comandar o joguinho que ora se iniciava, com muita cautela e discrição, sem vulgarizar o ato. ?Pois é, disse-lhe eu, adoraria saber de que fulano pudesse assistir como você me faz feliz na cama. Adoraria que ele estivesse sentado aos pés de nossa cama e ouvisse o entrar e sair de minha rola neste seu buraquinho tão apertado. Adoraria que ele, que gosta tanto de um gostoso perfume pudesse sentir o aroma que sai de sua bucetinha quando me fode gostoso.? Caramba, acho que exagerei pois imediatamente ela entrou num espasmódico orgasmo que me arrastou junto dando golfadas à exaustão. Não preciso dizer que quando deitados, um juntinho do outro, sentimo-nos muito mais próximos do que antes pela  cumplicidade criada. Cochichei em seus ouvidos o quanto fizera-me feliz por deixar a gostosa viagem dos nossos sentimentos voarem àquelas alturas. Perguntei-lhe o que sentira e a resposta apesar de curta: ?adorei?. estava tomada de esperanças para um futuro bem próximo.

Contos relacionados

Meu Desejo Proibido

Meu desejo proibido Meu nome é Ana Tatiana a história que vou relatar é real, aconteceu comigo, tenho 20 anos e ja tive dois namorados. Com meu ex-namorado nunca tive uma vida sexual ativa, sempre naquela mesma, o básico, papai e mamãe, ficamos...

Minha Mulher Deu Pra Dois Na Praia

Eu Antonio e minha esposa Karina(nomes fictícios) temos 36 e 30 anos, somos casados há algum tempo, tenho uma esposa maravilhosa, gostosa por ser fofinha tem uma bela bunda e seios fartos, onde passa chama a atenção. Sempre discutimos nossas fantasias...

Ana Clara E A Dupla Penetração

Ana Clara e a Dupla Penetração Olá Galera. Sou o Carlos Augusto Realto. Esse é mais um conto que escrevo. Porém esse relato esta sendo feito a pedido de uma amiga minha, a Ana Clara. Os nomes são fictícios para preservar os envolvidos,...

Tesão Dos Pós Aos lábios

Tesão dos pés aos lábios Tesão dos pés aos lábios Nós, garotas adolescentes vivemos em época moderna de TV, Internet, DVDs e outros veículos de informação. Acredito que as garotas de minha faixa etária sabem o que sei sobre sexo e......

Me Abrindo Para O Amor

Meu codenome é Beija Flor sou morena clara, uma mulher do tipo grande, tenho seios fartos, perna grossa bem torneada, bunda grande do tipo que chama atenção, cabelos vermelhos olhos negros, lábios carnudos sou muito sorridente tenho 1,67 hoje tenho 44...

O Prazer De Ser Corno: Corno Submisso (1)

O Prazer de Ser Corno: Corno Submisso (1) Conforme o relatado em "O Prazer de Ser Corno: Terceira (e Quarta) Vez", nos preparamos para encontrar os dois machos de Mônica naquele fim de semana. Ajudei minha esposa, tanto com as três enrabadas para...



a casa dos contos eroticoscontos eróticos proibidoconto erotico casadacontos eroticos brasilcontos tiacontosercontos etoticoscontos eroticos com namoradocontos eróticos primeira vezcontos eróticos mais lidoscontos femininos eroticoscontos eróticos mãe e filhoencochada no metrocontos eróticos cunhadaconto erotico perdendo a virgindadecontos tiacontos eroticos pra gozarconto erótico românticocontos eroticos femininoscontos eroticos curtoscontos eroticos virgemconto erotico no carroconto erotico enfermeiracontos surubacomi minha filha contoscontoerotivoconto erótico 2018contos tiacontos eróticos românticoscontos eroticos primeira vezcontos de sexo grupalcontos de insestocontos de sexo entre irmaoscontos incestcontos femininos eroticosconto erotico minha maecontos eroticos textoncontos eroticos padrescontos eroticos freirascontos eroticos com pai e filhacontos eroticos vizinhacontos eroticos com a tiacontos de masturbacaocintos eroticiscontos eroticos animadoscontos eroticos na infanciacontos eroticos de pai com filhacontos de masturbaçãocontos eroticos metrocontos e relatos eróticoscontos eróticos cunhadocontoserconto erocontos orgiacontos eroticos curtodei pro meu cunhadoconto erotico dentistacontos eroticos filhocontos de encoxadascontos eroticos 11contos de incesto de mae e filhocontos eróticos primeira vezcontos eoritcosontos erotioscontos pornoscontos eroticos dei pro meu paicontos insestocontos eroticos japonesascat contoslesbica no onibuscontos de trepadascontos eróticos professoracontos de traiçõescontos erotico no onibuscontos eroticos de masturbacaoconto erotico proibidoa casa dos contos eroticos